Ministro do TSE intima produtores sobre shows de Roger Waters no Brasil

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
Ministro do TSE intima produtores sobre shows de Roger Waters no Brasil
Roger Waters
Foto da internet

TSE

O ministro Jorge Mussi , do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), aceitou na noite de sábado o pedido de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) movido pela campanha de Jair Bolsonaro (PSL), contra o Fernando Haddad (PT), Manuela D´Ávila (PC do B) e dois diretores da empresa T4F Entretenimento, produtora responsável pelos shows do cantor Roger Waters no Brasil.

No despacho, o magistrado determinou a notificação das partes sobre a acusação de que os shows de um dos fundadores da banda Pink Floyd no Brasil teriam configurado abuso de poder econômico contra o candidato do PSL. A partir da análise das manifestações das defesas, o ministro pode decidir dar ou não seguimento à investigação.

Em apresentações no país, o músico chegou a fazer manifestação contra Jair Bolsonaro em uma relação de políticos “neofascistas’ e ditadores de vários países do mundo. Além disso, o músico exibiu nos telões de seus shows a expressão #elenão, criada contra o candidato do PSL. Após polêmica, escreveu “ponto de vista censurado”.

Para os advogados da campanha de Bolsonaro, os atos teriam configurado propaganda negativa contra o candidato. Além disso, os advogados citam a suspeita de que os shows teriam utilizado verbas públicas pois o ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão afirmou em seu Twitter que Waters teria recebido R$ 90 milhões para sua turnê no país.

Com base nisso, alegam os defensores de Bolsonaro, os atos do músico, que é conhecido pelo teor político de suas obras e críticas a regimes autoritários, teriam sido “premeditados” com “o explícito propósito de denegrir sua imagem e causar nos telespectadores/fãs uma forma de repulsa, pela evidente campanha negativa, o que não condiz com a realidade”.

Fonte: https://www.emaisgoias.com.br

Deixe uma resposta

Comunidade